VITÓRIA DA UNIÃO EM BARCELOS POR 5-6 NUM JOGO PARA A HISTÓRIA

 

Podíamos centrar esta crónica na péssima e tendenciosa arbitragem a que se assistiu em Barcelos, mas, o destaque maior vai para a equipa da União Desportiva Oliveirense e não para os Srs. Luís Peixoto e João Duarte. O Hóquei em Patins é uma modalidade que merece árbitros à altura das equipas.
O jogo mostrou uma Oliveirense quase sempre superior ao adversário, ainda assim foi a equipa da casa que se adiantou no marcador através do golo de Luís Querido que aproveitou um erro da Oliveirense na zona de ataque e bateu o desamparado Xavier Puigbi.
O golo não mexeu com o foco da equipa de Renato Garrido e Edo Bosch e o empate viria a ser marcado através de um remate poderoso de Xavier Barroso aos 10 minutos. Logo a seguir, a classe de Jordi Bargalló veio ao de cima e o catalão fez o 1-2.
Ainda na primeira parte, destaque para um cartão azul a Jorge Silva e a consequente grande penalidade que Luís Querido transformou no 2-2 com que terminou a primeira parte.
Nos segundos 25 minutos, as faltas continuavam a cair para o lado na Oliveirense e, num livre directo a punir a 10° falta, Xavier Puigbi foi insuperável.
Fruto de um desentendimento, Jorge Silva e Luís Querido viram cartão azul aos 10 minutos da segunda parte, foi pouco antes de Jordi colocar a Oliveirense na liderança por 2-3 após um excelente passe de Ricardo Barreiros. Aliás, a União estava bem e fez quatro golos consecutivos.
Marc Torra converteu o 2-4 de grande penalidade. João Almeida fez o 2-5 com um remate bem colocado e após um excelente passe de Bargalló. Num momento raro, Puigbi saíu da baliza para travar um contra-ataque e colocou a bola em Marc Torra. O catalão fez uma recepção extraordinária e rematou cuzado para o 2-6 a 8:48 minutos do apito final.
A partir daqui é difícil de explicar e contextualizar o que se passou na pista. Falta 13 para a Oliveirense, valeu o cartão azul a Puigbi. Nelson Filipe saíu do banco e defendeu a grande penalidade. Apenas, cinco segundos depois nova grande penalidade e Luís Querido a fazer o 3-6.
A 6 minutos do final,  cartão azul a João Almeida, livre directo e defesa de Nelson Filipe. A 5 minutos do final mais um azul, desta vez para Torra após um golo marcado com a coxa por Franco Ferrucio. O golo foi anulado e depois validado pela equipa de arbitragem. Ficou 4-6 no marcador.
A dois minutos do término da partida mais um azul desta vez para Luís Querido do Óquei de Barcelos, mas Torra falhou o livre directo. O catalão viu azul logo depois mas Puigbi defendeu o livre directo.
No último minuto, Álvaro Morais deixou o Barcelos a um golo do empate. 5-6 no marcador. A 8 segundos do apito final, Xavier Puigbi fez falta para grande penalidade e viu cartão azul. Nélson Filipe saltou outra vez do banco e foi enorme na baliza da União. O guarda-redes defendeu a grande penalidade e duas recargas segurando os três pontos.
Vitória muito suada num jogo onde a Oliveirense viu sete cartões azuis, sofreu quatro penaltis contra e dois livres directos. Duas das grandes penalidades foram repetidas. Foram averbadas 14 faltas de equipa ao conjunto de Oliveira de Azeméis. São muitas incidências para um jogo só.

Leave a Reply