EMPATE MUITO AMARGO – 4-4 EM RIBA D’AVE

Nelson Filipe assumiu a baliza da Oliveirense, na lógica de rotatividade promovida pelos treinadores Renato Garrido e Edo Bosch. João Almeida foi aposta para o cinco inicial com Jordi Bargalló, Marc Torra e Henrique Magalhães.
O desafio no Pavilhão das Tílias em Riba D’Ave mostrou equilíbrio entre as duas equipas com a União a ser mais ofensiva e a mostar solidez nos processos defensivos. Após algumas ameaças de parte a parte o marcador foi aberto a meio da primeira parte por Jorge Silva. O avançado mostrou a eficácia que o caracteriza. No minuto seguinte, Xavier Barroso ampliou para 0-2. Estava bem a Oliveirense e o terceiro golo rondou a baliza da equipa da casa, mas, o marcador não se alterou até ao intervalo.


Na segunda parte a atitude da equipa do Riba d’Ave valeu-lhes o golo que encurtou distâncias  no marcador. Hugo Azevedo passou por trás da baliza, rodou sobre Henrique Magalhães e disparou um potente remate.
A Oliveirense viria a ter novamente dois golos de vantagem quando João Almeida recuperou uma bola na defesa e desenhou muito bem o contra-ataque assistindo Jordi Bargalló que com muita arte picou a bola e rematou para o 1-3.
A equipa da casa viria novamente a reagir quando Tomás Pereira fez o 2-3 num lance esquisito que surpreendeu a União. Era um resultado perigoso apesar do bom desempenho da equipa de Garrido.
De mais uma transição ofensiva bem realizada surgiu uma grande penalidade por falta sobre Jordi Bargalló. O próprio catalão assumiu a marcação e fez o 2-4. A partir daí dois golos do Riba d’Ave mudaram a história do jogo. O 3-4 foi obra de Dinis Abreu a 3 minutos e 48 segundos do final. O empate a 4-4 foi marcado de livre directo por Diogo Cardoso a 1 minuto e 34 segundos do apito final. A Oliveirense lutou para chegar ao triunfo, mas, não conseguiu segurar a vitória frente a um adversário que foi sempre muito difícil.

 

Leave a Reply