OLIVEIRENSE NA FINAL FOUR DA TAÇA DE PORTUGAL

10-9 CONTRA A SANJOANENSE

Foi um jogo intenso entre duas equipas que se equivaleram. A Sanjoanense e a Oliveirense precisaram de jogar prolongamento e de desempatar o jogo dos quartos de final da Taça de Portugal nas grandes penalidades. Os jogadores da Oliveirense tiveram nervos de aço, só falharam uma penalidade e Xavier Puigbi defendeu o último remate.
Vamos à história do desafio. A Oliveirense ganhou vantagem no marcador frente ao eterno rival. O catalão Marc Torra sofreu falta para grande penalidade aos 3 minutos e ele próprio se encarregou de abrir o marcador com um remate fortíssimo. Aos 5 minutos a União viria a ampliar a vantagem após assistência de Marc Torra para Jorge Silva, o avançado português estava solto junto à baliza e finalizou com um bom remate. 2-0 a confirmar uma entrada em grande da Oliveirense.
A formação de São Joao da Madeira conseguiu reduzir o marcador por Xavi Cardoso após uma perda de bola da União que originou um contra ataque. O jogador da Sanjoanense seguiu isolado para a balizaa e conseguiu bater o desamparado Xavier Puigbi. 1-2 aos 10 minutos. Contra todas as expectativas, Xavi Cardoso viria a empatar o desafio. Ataque veloz com Puigbi a defender o remate, mas, a bola subiu muito e entrou caprichosamente na baliza do guarda-redes da Oliveirense.
O fervoroso público da Sanjoanense ficou em êxtase com o empate. O desafio estava a ser bem jogado com mais União na pista, mas, a eficácia dos auri negros estava a fazer a diferença. Jordi Bargalló, já recuperado de uma pequena lesão, esteve perto de fazer o 3-2 mas não conseguiu bater o guarda-redes Marco Pinho. Pouco depois, o mesmo Bargalló rematou ao lado após um bom passse de Jorge Silva.
Ao intervalo o marcador registava o empate a dois golos.


A segunda parte recomeçou da pior forma para a Oliveirense porque a Sanjoanense realizou a reviravolta no marcador. Livre para Alex Mount e golo. Foi inteligente e enganou Xavier Puigbi. Estava difícil o jogo e empolgava-se o público. A Oliveirense lutava por ganhar o domínio da partida mas a verdade é que o líder zona norte da segunda divisão estava muito motivado e empenhado em seguir para os quartos de final.
A equipa da casa faria o 4-2 a 15 minutos do final do jogo. Foi mais uma transição rápida finalizada por Xavi Cardoso que assim fazia o terceiro golo da conta pessoal. Mas, a União respondeu à altura do acontecimento. Jordi Bargalló fintou e assistiu Marc Torra e o catalão fez o que melhor sabe, marcou golo. 4-3 e o empate a um golo de distância.
Bargalló e Barroso estiveram perto do empate mas o guarda-redes da Sanjoanense estava bem entre os postes. Viria a ser uma bomba de Xavier Barroso a fazer o 4-4. Remate poderoso do catalão a recolocar a igualdade do marcador.
Num jogo intenso e renhido, a ADS viria a passar outra vez para a liderança fazendo o 5-4 a 1:40 minutos do final do desafio. A surpresa estava quase consumada, mas Renato Garrido e Edo Bosch prescindiram do guarda-redes e a equipa atacou com tudo. A 5 segundos do fim Marc Torra fez o terceiro golo do jogo e enviou o encontro para prolongamento.
Aí,  Pedro Cerqueira fez o 6-5 a 1:25 do final da 1° parte do prolongamento. Estava outra vez em desvantagem a União e muito motivada a equipa da casa. Da primeira parte do prolongamento é preciso destacar ainda o remate ao poste de Pablo Cancela.
Na segunda parte do prolongamento, Jorge Silva empatou o jogo a 6-6. Impressionante o desafio que estava a realizar-se no Pavilhão de Desportos da Associação Desportiva Sanjoanense. O empate manteve-se até ao final do prolongamento e por isso foi de grande penalidade que se decidiu quem passava à Final Four da Taça de Portugal.
Os jogadores da Oliveirense tiveram nervos de aço e só falharam uma penalidade das 5 que bateram. A Sanjoanense falhou duas com Puigbi a defender a última grande penalidade que apurou a União.