ARBITRAGEM, DERROTA E POLÉMICA

OLIVEIRENSE PERDEU 6-5 NO DRAGÃO CAIXA

Não é novidade, por isso podemos afirmar que mais uma vez a União Desportiva Oliveirense acaba um clássico do Hóquei em Patins com razões de sobra para falar de arbitragem. Se noutro jogo já nos foi retirado um golo da baliza, desta vez, um livre directo “inexistente” a 2 minutos do fim foi transformado no resultado final de 6-5 que deu a vitória ao Porto e a liderança a par do Sporting, ficando a Oliveirense a 3 pontos do duo da frente.

O jogo no Dragão Caixa teve um pouco de tudo, foi emocionante e bem jogado por duas das equipas que lutam pelo título. Começou melhor o Porto e em menos de 10 minutos ganhou uma impensável vantagem de 4-0. Rafa fez 3 golos consecutivos e Reinaldo Garcia marcou o 4-0. A Oliveirense parecia desorientada com esta entrada em campo dos dragões, mas, a partir daí uniu-se e patinou para dar a volta ao marcador.

Emanuel Garcia conseguiu finalmente bater o guarda-redes Filipe aos 24 minutos e deu novo alento à equipa. Um momento celebrado com muita garra pela equipa que procurou sempre a baliza do Porto mas que não estava a conseguir finalizar. Um golo celebrado nas bancadas pelos poucos adeptos da Oliveirense porque a sempre presente e ruidosa “Charanga da União” não entrou no Dragão Caixa, situação que está a ser averiguada e analisada pelo clube.

No regresso dos balneários, Marc Torra, em contra-ataque, ficou no frente a frente com o guarda-redes portista e picou por cima do corpo, diminuindo a desvantagem para 4-2. Estava bem a União e Puigbi foi enorme ao defender um livre directo de Hélder Nunes. Determinada e focada em fazer golos, a União conseguiu ficar a apenas um golo de distância quando Jorge Silva desviou um remate para fazer o 4-3 aos 36 mimutos. Motivava-se a União e o Porto sentia que o jogo não era o mesmo da primeira parte.

No minuto seguinte, um cartão azul inexplicável para Jorge Silva deu a Hélder Nunes a  oportunidade de golo. O capitão do Porto bateu Puigbi e fez o 5-3. Não se dava por vencida a União e a atitude da equipa valeu uma grande penalidade para Ricardo Barreiros. O capitão da UDO rematou contra Filipe, mas na recarga marcou e colocava a União a um golo do empate (5-4). Patinavam focados no golo os jogadores de Renato Garrido e Edo Bosch e o Porto foi forçado a fazer faltas, até que atingiu a 10° falta. Marca Torra, especialista nestes lances, foi exímio na marcação e igualou o jogo a 5-5. Recuperação épica da Oliveirense.

Com a igualdade no marcador, e a dois minutos do fim, houve novo livre direto. Só a equipa de arbitragem viu falta nesta jogada. Hélder Nunes rematou ao ângulo para a fazer o golo da vitória.
Logo depois, novo cartão azul para Jorge Silva. O 15 da Oliveirense caíu na área e reclamou com toda a justiça grande penalidade por ter sido derrubado. A equipa de arbitragem não entendeu assim e por isso mostrou cartão ao jogador. Puigbi evitou o livre de Hélder Nunes.

Aos 49 minutos, a Oliveirense tinha apenas 3 jogadores de campo e Jordi Bargalló foi derrubado na área mas nada foi assinalado. Seria grande penalidade para a Oliveirense.

A União tudo fez para vencer e os jogadores foram “inexcedíveis e fantásticos” conforme sublinhou Renato Garrido. A oliveirense segue a 3 pontos do Porto e do Sporting e continua na luta pelo objectivo de ser Campeão Nacional de Hóquei em Patins. Faltam 7 jornadas para terminar o campeonato. Lutaremos e estaremos vigilantes e atentos a tudo o que se vai passar até ao final desta época.